Patrimônio da UNESCO - Alimentos (II) - World by 2 - Dicas de Viagem

Patrimônio da UNESCO - Alimentos (II)

Publicado em 31/01/2020

Receitas e práticas alimentares podem ser usadas para transmitir conhecimento de uma geração para a seguinte. Para os viajantes, conhecer o cenário gastronômico local e unir-se às tradições culinárias é uma das melhores maneiras de aprofundar seu conhecimento e enriquecer sua experiência.
Atualmente, a UNESCO reconhece 17 tradições relacionadas a alimentos e bebidas como parte de sua Lista Representativa do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. Para inspirar você a aprender mais e talvez até experimentar, vamos falar sobre cada uma das tradições.

Leia também: Patrimônio da UNESCO - Alimentos (parte I)

patrimônio unesco

Pizzaiolo napolitano, Itália

Ao longo dos séculos, a arte de fazer pizza napolitana foi baseada em alguns elementos chave - água, farinha, sal e fermento. Tradicionalmente, os ingredientes crus são produzidos na zona rural da Campânia. É nas mãos, no coração e na alma do pizzaiolo que a mágica realmente acontece! E é por isso que a UNESCO declarou a técnica dos pizzaiolos de Nápoles como parte do Patrimônio Cultural Imaterial do Mundo.
A arte de fazer uma pizza napolitana é uma prática culinária que compreende quatro fases diferentes: a formação de bolas de massa; abrir a massa, onde o pizzaiuolo forma a famosa borda elevada chamada com um movimento hábil. Em seguida, a massa é coberta, começando do centro e girando em espiral no sentido horário. Finalmente, a pizza é assada no forno a lenha com um movimento rotativo.
Para provar: A melhor pizza napolitana (que você pode provar em qualquer pizzaria da região) é feita com ingredientes simples e frescos: massa básica, tomates crus, mussarela fresca, manjericão fresco e azeite de oliva - sem coberturas sofisticadas aqui. A pizza é melhor apreciada com um pouco de vinho da casa e finalizada com Limoncello, um licor com infusão de limão que é popular na Costa Amalfitana.
Ou aproveite para fazer uma Excursão Gastronômica com Guia Local

Pão sírio, Irã, Azerbaijão, Ásia Central e Turquia

O pão sírio tem uma longa história no continente euro-asiático e cada região e país tem sua própria variação. 
O humilde pão sírio é extremamente importante para a cultura alimentar iraniana, azerbaijana, turca, do Cazaquistão e Quirguistão. O pão sírio (que pode ter vários nomes dependendo do país) geralmente é preparado diariamente por famílias e membros da comunidade. Além de ser consumido como alimento básico, o pão achatado desempenha um papel importante em casamentos, nascimentos, funerais e reuniões religiosas.
Dependendo da região, o pão achatado é cozido em forno de pedra ou terra, em uma placa de metal ou em um caldeirão. A massa de pão sírio é sempre preparada com ingredientes simples: farinha de trigo, água e sal. Uma vez misturada, a massa de pão achatado é deixada em repouso antes de ser lançada e cozida / assada. Algumas aldeias ainda operam um forno para toda a comunidade, onde cada família pode levar o pão para assar.
Para provar: você pode assistir os habitantes locais fazendo pão no mercado principal de Baku. Ou você pode provar, em Istambul, uma torta saborosa chamada borek feita com camadas de pão e queijo. 

Kimchi e o Kimjang, Coréia do Norte

Kimchi é o nome coreano para legumes em conserva temperados e fermentados. É uma tradição importante na península coreana, onde a receita é transmitida de mãe para filha há séculos.
Antigamente, era uma prática coletiva. Este ainda é o caso se você visitar a Coréia do Norte. Lá, as fazendas coletivas ainda produzem kimchi como os coreanos teriam feito séculos atrás (este processo se chama kimjang). O repolho é colhido, fermentado e salgado, e pimenta e frutos do mar são adicionados. Depois de fermentado, pode ser mantido durante o ano inteiro após o qual o ciclo recomeça. 
Para provar: para experimentar o kimchi tradicional, é melhor visitar a Coréia do Norte em uma excursão pré-agendada. Dependendo da estação, você visitará fazendas coletivas e verá como o kimchi é feito. Durante a viagem, você terá tempo de sobra para provar o kimchi norte-coreano, que é servido no café da manhã, almoço e jantar como acompanhamento. 
E se você gosta de aprender, faça uma aula de culinária tradicional coreana e prove o melhor da culinária do país.

Gingerbread Craft (Licitars), Croácia

Produtos de panificação de gengibre se tornaram um símbolo da Croácia. Eles foram trazidos para o país pela igreja na Idade Média, mas rapidamente se tornaram o trabalho dos artesãos locais. A tradição foi transmitida por famílias de fabricantes de pão de gengibre, que desenvolveram seus próprios estilos de decoração.
O coração, conhecido como Coração do Licitar, é a forma mais famosa. Estes são dados como presentes em ocasiões especiais, incluindo aniversários, casamentos e feriados. Os cookies de licitar são normalmente cobertos com glacê vermelho opaco com desenhos de glacê branco, embora as decorações também possam usar glacê colorido. 
Para provar: Você pode encontrá-los por toda a cidade. Para uma verdadeira experiência de compras locais, vá ao Dolac Market, onde você pode encontrar licitar e outras lembranças croatas locais. 

Palov, Uzbequistão

É difícil conhecer a Ásia Central sem encontrar a iguaria tradicional do plov (palov). No Uzbequistão, o plov é servido em toda e qualquer ocasião e está disponível em todas as cidades e em cada pequena vila. O prato consiste em arroz com especiarias, legumes, carne e, às vezes, passas e frutas cozidas em uma panela grande, às vezes grande o suficiente para alimentar centenas de pessoas em casamentos ou funerais.
Não há dois plovs iguais. A delicada mistura dos ingredientes utilizados é único para cada cozinheiro. 
Embora seja específico para o Uzbequistão, existem variações muito semelhantes disponíveis nos países vizinhos.
Para provar: sem dúvida, o melhor lugar para experimentar o plov é no Plov Center, em Toshkent. A entrada para esta grande sala de jantar é ladeada por enormes panelas. A quantidade de plov é tão grande que centenas de pessoas aparecem todos os dias para se sentar para uma refeição ou simplesmente encher uma panela para levar para casa.

Dolma, Azerbaijão

Dolma é um dos itens de menu mais populares que você encontrará em restaurantes em Baku e no resto do Azerbaijão. O dolma delicioso é uma folha de uva pré-cozida recheada com carne picada, arroz, cebola e, às vezes, outros ingredientes, como ervilhas.
A palavra 'dolma' é de origem turca e tecnicamente é uma versão abreviada de doldurma, que se traduz em 'recheado'. Receitas e métodos de fabricação de dolmas são transmitidos de geração em geração.
Uma das melhores coisas do dolma é que a comida é usada como uma maneira de celebrar os convidados e marcar ocasiões especiais. 
Para provar: há muitos lugares onde você pode encontrar dolma no Azerbaijão, e o melhor sempre estará nas casas do povo azeri. Você também pode encontrar algumas versões extremamente saborosas em Baku nos muitos restaurantes tradicionais e em torno da cidade velha. Dirija-se ao Restaurante Shirvanshah Museum, ou ao restaurante Dolma perto da Praça da Fonte, onde você certamente encontrará algumas das comidas mais saborosas da cidade.

Nsima, Malawi

Nsima é um mingau grosso feito pela mistura de farinha de milho branca com água. Este é um processo elaborado que envolve puxar a pasta contra a lateral de uma panela com uma colher de pau enquanto ela ferve. Nsima é comido em muitas partes da África e tem nomes diferentes em outros países africanos.
No Malawi, é normalmente consumido com dois acompanhamentos: um prato rico em proteínas e um vegetal. O prato de proteínas pode ser carne, peixe ou feijão, enquanto o prato de legumes geralmente é um tipo de verde folhoso escuro, como folhas de mostarda ou abóbora.
Para provar: como o nsima é o alimento básico mais comum no Malawi, está disponível em todo o país - embora nem sempre seja servido em restaurantes turísticos. O Thomas's Restaurant, Grocery e Bar em Cape Maclear, no Lago Malawi, atende a uma mistura de turistas e locais e serve nsima com feijão e salada.

Cultura da cerveja, Bélgica

A cerveja é grande na Bélgica e é fabricada no país há séculos.
Contendo água, cevada, lúpulo e fermento, a cerveja foi originalmente produzida por monges e monjas na Idade Média como um substituto para a água. (A água potável era muitas vezes impura e deixava as pessoas doentes, por isso era preferível uma cerveja fraca - mesmo para crianças.) O processo de fermentação matava todos os germes e a adição de lúpulo agia como conservante. Assim, uma parte essencial da culinária da história, cultura e tradição do país foi criada. Hoje, existem mais de 1500 tipos diferentes de cerveja belga com uma variedade de sabores, cores e porcentagens de álcool.
Para provar: embora a maioria dos restaurantes, cafés e bares na Bélgica sirva cerveja, recomendamos visitar uma cervejaria para ter um gosto real dessa tradição belga. Você aprenderá sobre o processo de fabricação de cerveja e degustará uma variedade de cervejas diferentes antes de escolher sua favorita. Nós indicamos fazer uma Degustação de Cervejas Belgas.

*Planeje sua viagem:

- Encontre passagens pela Passagens Promo
- Encontre onde ficar com a Booking.com
- Faça seu seguro viagem com a Seguros Promo
- Reserve uma casa pelo Airbnb
- Alugue um carro com a RentCars
- Já saia com internet no celular com a EasySim4U
* Usando os sites parceiros, nós recebemos uma pequena comissão, mas você não paga nada a mais por isso e ainda ajuda a manter o blog sempre atualizado!
0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais vistos da semana