Reflexões de uma Viajante que Não pode Viajar - World by 2 - Dicas de Viagem

Reflexões de uma Viajante que Não pode Viajar

Publicado em 25/11/2020

Ultimamente, venho tentando entender todas as razões pelas quais estou me sentindo tão inquieta e ansiosa, também tenho pensado muito sobre viagens em geral. E me perguntando por que tenho uma necessidade tão insaciável de fazer isso.
viajar

O que é viagem?

Faça esta pergunta para 50 pessoas diferentes e você provavelmente obterá 50 respostas diferentes. O dicionário nem consegue se decidir; as definições incluem: “o ato de partir de um lugar para outro”, “o deslocamento que se faz para se chegar de um local a outro relativamente distante”, ​​“mover-se em uma determinada direção”. Tudo isso certamente parece vagamente como uma viagem. Porém, arriscaria dizer que viajar é muito mais do que apenas movimento.
Pra mim, viajar implica em mudar ou sair de um lugar e terminar em outro, com algum tipo de experiência significativa no meio. Esta é, para mim, a essência da viagem. 

Mas não existe apenas um tipo de jornada. Existem os tipos de viagens que definem itinerários e destinos - como um cruzeiro ou uma excursão guiada, onde o viajante simplesmente vai para o passeio. E há os tipos de jornadas que não possuem um roteiro, ou talvez consistam apenas vagamente em destinos e planos. Esses tipos de viagens podem mudar em qualquer ponto ao longo da estrada; eles podem se adaptar e muitas vezes forçam o viajante a se adaptar junto com eles.
É este segundo tipo de viagem que muitos consideram ser uma “viagem real” - viagem que muda quem você é e como você vê o mundo. Sim, talvez esse segundo tipo de viagem se abra para mais oportunidades de autorreflexão e autodescoberta, mas, no fundo, uma viagem - de qualquer tipo - ainda pode ser considerada uma viagem. O que me leva à minha segunda pergunta:

Por que viajamos?

Tudo começa com uma necessidade de estar em algum lugar que não estamos. E muitas vezes é depois de chegarmos a esse lugar (ou quando voltamos dele) que surgem outros motivos para viajar.
Nós viajamos por vários motivos, na maioria das vezes, viajamos para fugir de algo - seja um emprego ruim, um relacionamento, um estereótipo ou apenas uma sensação incômoda de desejo de viajar. 
Às vezes, nem percebemos (ou negamos) que estamos viajando para escapar. Mas mesmo umas férias curtas na praia ou em uma cidade desconhecida podem servir como uma fuga - uma fuga do trabalho, do estresse e das responsabilidades que estamos sobrecarregados em casa.
Por meio dessa fuga, o viajante costuma se soltar, permitindo a exploração, a descoberta e o aprendizado. 
Mergulhamos em novas culturas, experimentamos novos alimentos, nos colocamos em situações desconfortáveis ​​e descobrimos coisas sobre nós mesmos que podemos achar surpreendentes. É fácil se empolgar com a sensação de anonimato que pode ser experimentada durante a viagem. 
Não importa se é um cruzeiro de 5 dias ou uma viagem ao redor do mundo de um ano - se ninguém o conhece, você geralmente se sente à vontade para sair da sua concha.
Freqüentemente, voltamos de uma jornada mais capazes de identificar nossos pontos fortes e (talvez mais importante) reconhecer nossos pontos fracos.
E, ao descobrir um novo senso de identidade, nós, como viajantes, muitas vezes nos sentimos compelidos a continuar explorando outras culturas para obter um melhor entendimento delas também. Queremos ver mais, ouvir mais e mergulhar no coração de um lugar ou de uma pessoa - pretendemos eventualmente uma imersão total. Queremos entender onde nos encaixamos.

Tendências Nômades

Não é de se admirar que nossa história esteja repleta de coisas como exploração e conquista. Não é de admirar que, desde que os humanos estão neste planeta, eles estejam procurado por algo... somos naturalmente seres  em movimento. 
Portanto, talvez meu desejo insaciável de viajar - de escapar, de me tornar anônimo, de descobrir a mim mesmo e aos outros - esteja simplesmente embutido; predisposto. 
Talvez séculos de evolução simplesmente não tenham conseguido eliminar esse gene nômade da minha constituição, e agora estou apenas presa a ele.
Essa sensação incômoda de desejo de viajar - que muitas vezes não é realizada - tornou-se parte de quem eu sou. Reconheço minha necessidade de viajar e entendo as razões pelas quais ela me puxa constantemente. E estou bem com isso. 
Porque eu sempre sei que, em algum momento no futuro, estarei em outra aventura. Haverá um novo lugar para explorar, um novo sabor para conhecer, uma nova história para contar. 
0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais vistos da semana