Como Viajar pode Mudar a Maneira que Você Pensa - World by 2 - Dicas de Viagem

Como Viajar pode Mudar a Maneira que Você Pensa

Publicado em 01/08/2022

A maioria das pessoas viaja como observadora e, como resultado, “vê” muito. 
Quando você viaja como participante ativo, a experiência pode transformar a maneira como você pensa e como vê o mundo.
dicas viagem
Aqui está uma situação familiar para muitos de nós: decidimos tirar férias e ir a algum lugar exótico. Planejamos a viagem e marcamos nossos calendários, e à medida que a data se aproxima ficamos cada vez mais animados. 
Antes de entrarmos no avião, as possibilidades parecem infinitas. Qualquer coisa poderia acontecer! Encontros e aventuras acidentais podem mudar nossas vidas!
Nós vamos. Nós temos um bom tempo. Vemos o que queríamos e aproveitamos a pausa do trabalho. Ao voltar para casa, compartilhamos as fotos e contamos algumas de nossas experiências com amigos. Entregamos as lembrancinhas. Voltamos para nossas vidas. O brilho desaparece e resolvemos planejar a próxima rodada de viagem.

Nós também já passamos por isso, e no final (pelo menos para nós), isso tudo parece um pouco triste. Essa experiência incrível se torna uma miragem ou um sonho que passou – semelhante a assistir a um filme, mas muito mais caro. E se não tiver que ser assim?

Viajar sem participação e reflexão é entretenimento. Tente se jogar na jornada e capture a experiência e os insights ao interagir com todas as coisas novas com as quais se depara. Você pode tirar mais proveito de sua viagem se decidir realmente se envolver na experiência e sair enriquecido, bem como entretido e descansado.

Primeiro, vamos contextualizar como viajar pode mudar como você pensa e até mesmo quem você é:

Há pouco mais de 200 anos, Mary Wollstonecraft, filósofa, feminista e autora de Reivindicação dos direitos da mulher, estava passando por um período emocionalmente difícil. Seu amante - o pai de seu filho - não estava mais interessado em ficar com ela. Ela ficou arrasada e frustrada. Como filósofa, ela acreditava que era importante viver de acordo com os ideais que defendia. 
A realidade enfrentada por uma mulher de classe média na Inglaterra do século 18 tornou isso muito difícil. As mulheres essencialmente não tinham direitos. Ter um filho fora do casamento pode ter apoiado suas ideias sobre o quão opressiva a instituição do casamento era para as mulheres, mas sem o apoio do pai da criança, ela sabia que teria dificuldades financeiras e sociais. Foi um dos pontos mais baixos de sua vida.
Wollstonecraft foi para a Escandinávia, principalmente para recuperar algum dinheiro para seu amante e assim tentar reconquistá-lo. Nisso ela falhou. 
Mas ela capturou sua jornada em Cartas escritas durante uma curta residência na Suécia, Noruega e Dinamarca (não há versão em português). Ao fazer isso, ela revolucionou a escrita de viagens e se curou.
As Cartas oferecem uma visão notável da mente viva de Mary. Enquanto se move pelos arredores desconhecidos de três países estrangeiros, ela se faz perguntas e explora as ideias que lhe vêm à mente. Observando o desenvolvimento agrícola da Noruega, em muitos aspectos atrás do da Inglaterra na época, ela pergunta: “E, considerando a questão da felicidade humana, onde, oh, onde ela reside? Fixou sua morada na ignorância inconsciente ou na mente altamente trabalhada?
Ela descobre por que os locais estão nervosos em servir café e como suas modas são diferentes. Ela comenta as diferentes práticas de jardinagem e a beleza das árvores. Ao contemplar como os noruegueses organizam sua hierarquia social, ela faz comparações com a Inglaterra e infere conclusões sobre seu país natal – e chega a conclusão, que a maneira como as coisas são não é necessariamente como elas têm que ser.

Mais importante, ela registra o efeito que a viagem tem sobre ela. “Quando um coração caloroso recebe fortes impressões, elas não devem ser apagadas. As emoções tornam-se sentimentos, e a imaginação torna permanentes mesmo as sensações transitórias, refazendo-as com carinho. Não posso, sem um arrepio de prazer, recordar visões que vi, que não devem ser esquecidas, nem olhares que senti em todos os nervos, que nunca mais encontrarei”.

Aqui estão alguns objetivos que podemos construir a partir da abordagem de Mary Wollstonecraft para viajar:

- Procure conhecer ativamente o lugar em que se encontra. 
- Observe os costumes. 
- Interaja com os locais. Faça perguntas.
- Aprenda os porquês por trás da observação. Explore a história. 
- Tente entender as respostas em relação ao que você está vivenciando agora, deixando de lado quaisquer suposições e (pre)conceitos anteriores.
- Observe como esta viagem está afetando você. Que memórias vêm à tona? Que novos insights você tem? Suas opiniões e crenças são desafiadas?
- Não planeje cada detalhe. Explore.

Então, como colocar esses objetivos em prática?

Todos nós temos a tendência de generalizar a partir de pequenas amostras. Nosso próprio pequeno mundo torna-se, sem a infusão de novas experiências, nossa moldura para compreender o mundo inteiro. Viajar amplia seu conjunto de amostras. Você começa a realmente entender os universais da condição humana versus as particularidades da área que ocupa.
As chances são de que pessoas em um país diferente pensem de maneira diferente de você. As interações nem sempre reforçarão suas crenças. Você será exposto a novas ideias e maneiras de encarar a vida que podem lembrá-lo que há muitas opções diferentes do que as que você estava acostumado.

Quando você explora outras culturas e modos de vida, você vê que existem muitas definições de uma boa vida e muitas maneiras de ser feliz. 
Você começa a entender que a igualdade de experiência é diferente da mesmice da experiência. Nem todo mundo quer o que você quer. Essa diversidade na forma como manifestamos nossos objetivos e desejos explica as diferenças em tudo, desde a filosofia pessoal até os mercados de produtos.

Experimente estas dicas para alcançar os objetivos de viagem ativa:
- Mantenha um diário de viagem. Não precisa ser complicado. As viagens são cheias de momentos ociosos, como esperar ou estar em um transporte para ir de um lugar a outro. Reflita e capture suas reflexões. Escreva, grave um áudio, faça um vídeo... O que for mais simples para você.
- Dê a si mesmo a chance de experimentar o inesperado. O excesso de planejamento reforça seus preconceitos atuais. Sempre mantendo a segurança, aceite convites, prove novos sabores, vá a lugares inesperados.
- Seja deliberado ao definir seu objetivo. Vá a algum lugar com a intenção de ganhar algo com essa experiência. Não tente recriar sua vida em casa, com os mesmos restaurantes e programas de televisão.
Esteja aberto ao crescimento. Viajar é uma oportunidade de escolher ser diferente. 

Ao permanecer ativamente engajado, a viagem pode despertar você e mostrar o mundo sob uma luz diferente.
Agora, nem todo mundo consegue ou quer ter esse tipo de experiência em uma viagem, e está tudo certo também! O importante é aproveitar e os momentos te fazerem bem!

Veja também


Se você gostou desse post, por que não compartilha com seus amigos? Isso significaria muito para mim! Certifique-se também de se juntar aos nossos companheiros de viagem e me seguir no Facebook Youtube ou Instagram para atualizações de viagens e ainda mais fotos! Se você não quer perder novos posts assine nossa newsletter!

*Planeje sua viagem:

- Encontre passagens pela Passagens Promo
- Faça seu seguro viagem com a Seguros Promo
- Reserve seus passeios com a Get your Guide
- Encontre onde ficar com o Airbnb ou com a Booking.com
- Já saia com internet no celular com a Viaje Conectado
* Usando os sites parceiros, nós recebemos uma pequena comissão, mas você não paga nada a mais por isso e ainda ajuda a manter o blog sempre atualizado!
0 comentários via Blogger

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais vistos da semana